Já faz mais de dois anos que tenho o blog e o canal do Youtube, mas vocês devem ter percebido que eu não sou muito de falar sobre mim. Acho que vocês conhecem um pouco do meu gosto, mas eu devo ser uma verdadeira incógnita se comparada aos demais blogueiros.

Então hoje decidi falar um pouquinho sobre minhas curiosidades perfumísticas. (Eu até tinha a intenção de falar sobre mim, mas foi um total fracasso minha tentativa… Não sabia nem por onde começar! Então se alguém tiver alguma pergunta, eu responderei com o maior prazer )

Primeiro perfume

Meu primeiro perfume foi presente da mamãe: Ma Chérie, de O Boticário. O que deve ser novidade para muita gente é que era um sacrifício me fazer usá-lo. Não que eu não gostasse dele… Eu só não gostava de usar perfume. Eu achava que se ninguém podia vê-lo então não tinha lógica ter o trabalho de usá-lo todos os dias.

Quando me apaixonei pela perfumaria

Engraçado que comecei a usar perfumes por espontânea vontade lá pela 8ª série (acho que virou 9º ano agora), mas ainda assim não era nada demais. Eu tinha sempre um único perfume, mas nunca o mesmo. Eu não os via como “marca registrada”, mas sim como perfumes para registrar épocas distintas da minha vida. Foi só quando fui estudar em Vancouver que realmente me atraí pela perfumaria. Eu frequentava lojas de perfume toda semana!

E o Insolence?

Acredito que todos estejam cansados de saber que meu queridinho é o Insolence (Guerlain). Só que o que ninguém sabe é que ele virou meu favorito antes mesmo de eu me apaixonar por perfumes e que ele não era para ser meu. Historinha rápida, em 2007 eu estava doida pelo Lauren Style (Ralph Lauren) e pedi para minha irmã trazer para mim de viagem. Resumo da ópera, ela não encontrou o Style. Como minha irmã é boazinha e eu faço uma olhar muito idêntico ao Gato de Botas (aqui), ela decidiu me dar o perfume que tinha comprado para ela: o Insolence. Foi amor à primeira cheirada 🙂

O que os perfumes representam

Obras de arte! Perfumes são caixinhas de surpresa; você nunca sabe o que está por vir porque o mesmo perfume pode ter inúmeras facetas em diferentes pessoas. Podem ser únicos! Mas mais surpreendente do que o fator surpresa é como eles nos fazem sentir; como estão ligados ao nosso lado emocional. Um aroma é capaz de melhorar seu humor, te fazer sentir mais elegante, segura, sensual. É capaz de te fazer rir ou chorar ao te lembrar de momentos da sua infância, do seu primeiro namoro, de seus filhos; da sua vida. Não quero dizer que perfumes são poções mágicas. Eles simplesmente nos completam.